Grade School Cyber Security Kit: Online Safety 101

The Internet can be a place of endless wonders. It’s where you learn, talk, shop, and play. Still, the Internet is just like anything else in life- there are important rules that everyone should follow in order to make sure they stay safe while online.

Follow the Internet rules at school and at home:

How much screen time is too much?
It’s really easy to get caught up visiting fun websites, and playing awesome games, but there’s also a whole big world to explore, away from the screen! Know when it’s time to put down the mouse and go outside and play. Come to an agreement with your parents about how much time you’ll spend staring at the screen each day.

Only visit sites that are approved by parents, teachers and family members.
Talk to the adults that you trust about some of the activities that you want to do on the Internet. They can help you find the right websites and steer you clear of the bad If you are interested in joining a social media website, ask your parents to help you find the right ones for kids your age.

Find out your school’s rules about bringing your own devices to class.
Some schools may allow tablets, computers and smartphones in class, since they’re great learning tools. They can also be distracting for you and other students if you don’t follow the rules about them. Learn the rules before bringing a phone or computer into the classroom.

Protect your computer and devices.
Always be careful when you have food & drinks around the computer; damage can happen if you spill a drink on a laptop, or drop your tablet on a hard surface. Treat your gadgets with care – they’re lots of fun, but can break easily if not taken care of properly.

Stranger Danger:

Do not give personal information to strangers online.
Since everything you do online is with a computer, it’s very easy for someone to hide behind the computer screen and pretend they’re someone else. You may think you are talking to a kid your age, but it could be someone much older behind that screen instead. If someone asks to meet you that you have only talked with online, be sure to tell an adult immediately.

What is personal information?
Personal information is stuff about you such as your full name, city or address, telephone number, birthday, your parent’s name, what school you go to and even photos. If someone you don’t know asks you for any of these things, you should tell a trusted adult right away.

Make safe online accounts.
Sometimes when you join a new website, you need to create a username with a safe password that protects your personal information. Never use your full name as the username. A safe password is a password that has no words that can be found in a dictionary, and should contain a mix of numbers (1,2,3…), letters (A,B,C…) and special characters(!,$,*…).

Need help coming up with a password? Try our handy tool to help you make a safe and secure password.

Talk to your parents or teachers if someone’s online behavior makes you uncomfortable.
Cyberbullying is not okay. If someone is making you feel bad or uncomfortable through the computer or phone, don’t respond, and notify a parent or adult you trust. If you see anything online that you don’t think is right, even if it doesn’t involve you, it’s a good idea to talk openly with your parents or teacher about what you see.

Appropriate Email and Messages
Lots of “bad guys” on the Internet will try to trick people into downloading malware, or viruses through email messages. A computer virus is a program that can make your computer “sick.” Email addresses should remain private and only given to people you know in real life. If you meet someone new, ask your parents first if it’s okay to give them your email address. Do not open email from strangers. If you receive any kind of email that you’re not sure is safe or not, get an adult to come help you figure out if you should open it.

Just Because it’s On The Internet, Doesn’t Mean it’s True.

Internet bad guys can try to trick you into giving away information about yourself, for many reasons, none of which are safe. Remember that everyone’s real face is hidden behind a computer screen, even if they have a photo of themselves. Any stranger can pretend to be a friend. If anything you come across online makes you feel confused, uncomfortable or even scares you, know that it’s ok to go get an adult to help you make the right decisions while online.

Stop Stressing: 10 Internet Safety Rules To Help Keep Your Family Safe Online

Children today can access more information than any generation before. Because of the Internet they now have a wealth of information that can enrich their lives in new and wondrous ways. But the Internet also has the potential to harm us, and the people we love. Too often we read about another company falling victim to a cyber attack, or a friend’s email or social network account being hacked. These dangers are real.

And though there are real reasons to protect your kids and your data from cyber thieves, you shouldn’t need to shy away from the advantages the Internet has to offer your family. The bad guys may be smart, but you can be smarter.

Here are 10 ways you can protect your family’s devices so they can go online, without worry.

1. Realize that cyber security is a moving target. Cybercriminals are constantly coming up with new threats, so you need to be conscientious about downloading the latest security updates and patches and watching the news for any new threats.

2. Get wise to phishing. You may be sophisticated enough to know not to click on a URL that’s supposedly from your bank or a friend, but does everyone in your household? Tell your kids about phishing and warn them not to click on URLs from an email or social network message. Get a security program that recognizes and blocks dodgy URLs.

3. Watch out for scams. There are other ways to trick you into entering information. Even some so-called legitimate businesses can trick you into signing up for recurring annual payments and the like. Watch your credit card statements closely.

4. Use a password management system. Passwords are the primary defense against hacks for most people and its no secret that it’s often a pretty flimsy one. Bolster your defense with a password management program. Best of all, this way you only need to remember one password.

5. Keep social networks secure. There’sa good chance that at least one person in your house is on a social network. Unfortunately, social networks have become a draw for cybercriminals. Keep a close eye on your friends’ social network accounts. If someone messages you who hasn’t done so in a while, then be suspicious. Your friend’s account may have been hacked.

6. Identify the threat in your household. Your home Wi-Fi network is another entry point for hackers. Make sure you have a hard-to-crack password and consider security software that identifies “intruders” on the network.

7. Educate kids about online safety. When it comes to cyber-security, kids are often the weakest link. Get security software that keeps kids from clicking on the wrong links and visiting the wrong sites. Teach kids about suspicious activity online and encourage them to ask for help if something seems suspicious.

8. Don’t forget mobile devices. Your phone and tablet need as much security protection as your PC. Make sure you’ve got a full security solution that covers your mobile devices as well. Put a passcode on your tablets and phones too.

9. Use a credit card. Credit cards are insured, so use that rather than your debit card.

10. When in doubt, call support. The best security software programs offer 24/7 support. If you ever have any suspicions you’ve been hacked, call for help.
Norton Family can help you buy peace of mind without sacrificing your family’s ability to learn and stay connected. It’s your single solution that protects up to five of your devices, whether it’s your desktop, mobile or tablet. And it’s incredibly intelligent- actively providing protection at all times, detecting online threats before they hit, so, when the new school year comes, your family will be ready to “Go Boldly” into new discoveries.

Parents Best Practices to Social Media Security

As connected as kids are today, it can be a full-time job for parents to be aware of everything they’re doing online. While many kids may seem comfortable with technology and the Internet, we sometimes forget that they’re still learning and may not always be prepared to spot the risks and pitfalls of being constantly connected— especially when it comes to social media.

We’ve put together some helpful tips so that you and your children can enjoy social media more safely.

Educate and Communicate

Educate yourself about social media. Ask your children which sites they are interested in getting an account with. If you don’t have a social media account for that site already, get an account for yourself. Teach yourself the ins and outs of the site that your kids want to use, so you know exactly what they can and cannot do.

Have open conversations with your kids about how to avoid strangers, how to prevent revealing too much about themselves and general Internet safety. Educate them about some of the things mentioned in this article, and what can be a red flag.  Encourage them to come to you for guidance when questionable content or situations come up.

Teach your child to be aware of what’s posted. Just because something is posted and then deleted does not ensure that it is permanently deleted from the Internet. It may not seem like a big deal now, but this can hurt their online reputation as they grow into adulthood and eventually enter college, and then the job market. Be aware of their “Googleability.” Have you ever Googled yourself or your child? If not, you should, just so you can be aware of what personal information is out there. Do this from time to time to be aware of new things that may pop up over the years.

It’s also important for your kids to know that social networking sites may be giving away more personal information than they realize. Many social media sites provide information such as real names, the child’s age, their school’s name and the city that they live in.

Safety First

Advise your child to never approve friend requests or add people that they do not know in real life. There is a relatively new form of cyberstalking known as Catfishing. The user can set up a fake profile and pose as someone else (most likely, another child) to try to engage contact with your child. Educate yourself about Catfishing and cyberstalking, and then teach your child what red flags to be on the lookout for. Be sure that they know never to meet anyone in person that they have only met online.

Avoid questionnaires, “free” giveaways and contests. These can sometimes be phishing scams that will try to trick your child into giving away personal information about themselves, or will try to inject malware onto your computer. Educate yourself about phishing scams, and if your child really wants to enter the contest, review it first and make sure that it is legitimate.

Personalizing social media status updates with a live location taken from a mobile device’s GPS has become hugely popular. While tagging posts or photos with a location can be fun for kids, it’s problematic for parents who’d rather their child’s precise whereabouts weren’t broadcast to the world. To avoid this, go into the settings menu on your child’s device and disable location services. This can be done just for specific apps and still allow maps and other genuinely useful tools to access location data.

Another potential pitfall is the use of games and other third-party apps within social networking sites. These apps can share or post information by default without you knowing. Good ones will state clearly that they’ll never post on your behalf; for less well-known or respected apps, consider whether you want your child to allow these apps to access to social media accounts at all.

Set Your Own House Internet Rules

Keep the computer in a common area of your home, such as your living room or kitchen. You can then monitor closely what sites your child is visiting, and they will not be as tempted to visit sites or perform activities they are not allowed to if you’re keeping a watchful eye.

Only allow your child to access the Internet (outside of homework purposes) for a limited, set time each day. Social media sites can be a time suck, and you don’t want your child spending all of their free time on these sites.

Make a deal- if your child wants to join a social media site, request that you have access to their account credentials so you can periodically check in on their activities such as adding suspicious friends, receiving questionable messages or posting questionable content. If the child is an older teen and having full access to their account seems too invasive, require that they add you as a friend so that you can monitor their activities via your own account.

Stick with age appropriate sites. Most social networking sites such as Facebook, Twitter and Instagram have an age limit of 13 and older. Some of these sites have additional security settings for minors as well. Facebook (link is external), for example, automatically imposes stricter privacy settings than what it uses for adults, so be sure your child is using the correct birth date upon signup. Twitter allows an option for a user’s account to be private; therefore the user approves all follow requests. In addition to these safeguards, you should always review the privacy settings on your child’s profile.

Parental Controls

A simple way to add an extra layer of safety is to sign up for a free Norton Family account. It shows you when your child registers for a social media account from their PC, and the name and age they use on their profile. Upgrading to Norton Family Premier gives you insights into your child’s Android mobile device activities, too, letting you choose which apps they can use—even allowing you to turn off access to Facebook or YouTube.

Teach Your Kids to Avoid Online Scams

Surfing the Internet means possible exposure to online scams, something your children might not have any concept of. If you’re allowing them to go online, it’s imperative that you discuss online scams. Such scams come in a variety of guises, including those that specifically target children.

Let’s look at how to best protect your kiddies from those who would scam them:

Educate Yourself First

The first step in protecting your children from online scams is to educate yourself on the types of scams currently floating around the Internet. One type of scam is the free trial offer, which claims to offer, for example, free one-month trials of some “amazing” product. The fine print of these scams includes terms stating that after the trial period, you’ll be paying for the product once a month…forever.

“These guys are really shrewd,” says Christine Durst, an Internet fraud expert and consultant for the FBI and the FTC. “They know that most people don’t read all the fine print before clicking on ‘I agree,’ and even people who glance at it just look for numbers. So the companies spell out the numbers, with no dollar signs; anything that has to do with money or a time frame gets washed into the text.”

Other examples of Internet scams include faux Wi-Fi hotspots; social media and email messages indicating you’ve won an expensive prize or should enter a contest to win an expensive prize; and bogus pop-ups warning of supposed viruses and malware. The latter scam often looks like legitimate antivirus programs, but what you’re doing to “fix” your computer is actually infecting it with a virus.

Unfortunately, these are merely some of the many online scams that exist, so be sure to do your homework.

Learning the Signs

Once you feel secure in your knowledge of Internet scams, it’s time to pass this information on to your kids. Educating them about indicators of scams is important, with typical signs including:

Errors
Many Internet scams are rife with grammatical and spelling errors. If you receive messages laden with such errors about a “great deal” or contest, it’s probably a scam, even if it comes from a “friend.” However, there are plenty of Internet scams that contain flawless wording, as it’s one of the ways scammers make their messages look legitimate.

Foreign Offers
Messages from “foreign princes” claiming you need to help them transfer thousands of dollars, and simply have to pay the $150 wiring fee to enjoy a cut of the money, are now-classic online scams.

Emotional Manipulation
Manipulating emotions is another common scammer trick. Financial stress, loneliness, and frustration are examples of the emotional problems scammers prey on. They might not ask for money, but will insist on personal information, which they will then use to steal identities.

Talent Searches
“Kids talent searches” are types of scams that target children specifically. These scams might suggest that a child joins a particular modeling agency or accepts an invitation for a screen test. They may seem real at first but always ask for money to continue “working” with the agency.

Scholarship Scams
Another scam that targets children is scholarship scams. They claim to be recognizing children for academic achievement but, as with talent scams, require paying significant upfront fees.

Communication

When it comes to recognizing scams, keep communication open and clear with your children. Stress that they should always come to you about any suspicious messages or pop-ups they receive, and regularly discuss online scam signs if Internet usage is a big thing in your house. Scammers rely on children’s innocence, so consider limiting computer time in your home until you’re certain the kids are scam-savvy enough.

What is Cyberbullying?

Online socializing has both good and bad sides to it. While it has opened a whole new dimension of ways to communicate and has added convenience to our lifestyles, it unfortunately has some unpleasant effects too.

Cyberbullying is one example that has had devastating outcomes on our youth. It uses online communication to abuse or degrade someone. It’s a crime that doesn’t restrict itself to the playground. With advancements in technology, cyberbullying has gained notoriety over the years.

Unlike bullying, cyberbullying doesn’t require physical strength or a face-to-face meeting. Anyone with an Internet connection and a device can be a cyberbully. There are no specific hours, and it can happen 24/7. Since a lot of platforms don’t make an effort to verify that people are who they say they are, the cyberbully can choose an alias and remain anonymous.

The main targets of cyberbullying are children, which makes this problem a priority for adults and school officials to solve. In the face of traumatic experiences, the mind of a child can be deeply impacted, and those experiences can leave lifelong scars. Children have difficulty knowing how to respond when they are harassed and, when they do react; they often don’t completely understand the consequences of their actions. Cyberbullying has left many of our youth depressed, withdrawn and in some cases it has led the victim to commit suicide.

There are many different types of cyberbullying out there. Here is a list of terms that define the different types of cyberbullying:

1.    Outing

Outing is a deliberate act to embarrass or publicly humiliate an individual by posting their private, sensitive or embarrassing information online. The information revealed can be insignificant or serious, but can have a severe impact on the victim.

2.    Fraping

Fraping is serious offense where a person accesses the victim’s social media account and impersonates them in an attempt to be funny or to ruin their reputation. Fraping can have serious consequences, especially because once something is out there, it is very hard to delete it and mend the victim’s digital reputation.

3.    Dissing

Dissing is when people share or post cruel information about your child online to ruin their reputation or friendships with others. This includes posting personal photos, videos and screenshots. The person sharing this information will usually be a friend or acquaintance of the victim.

4.    Trolling

Trolling is a form of cyberbullying done by insulting an individual online to provoke them enough to get a response. Usually these attacks are personal and instigate anger in the victim, making them lash out and behave badly.

5.    Trickery

Trickery is the act of gaining your child’s trust so that they reveal their secrets or embarrassing information, which the cyberbully posts on the Internet for everyone to see. The person pretends to be a close friend and confidant and gives the child a false sense of security before breaking his/her trust.

One of the first things parents must do when their child is being cyberbullied is stay aware and calm. Research shows that a large percentage of children do not like to tell their parents when they are being cyberbullied because they are afraid that they will lose their Internet privileges. Talk to your children about cyberbullying. Let them know cyberbullying is common. Teach them the basics of online security and stay connected with them daily and digitally.

Other options to keep children safe online is to install a reliable security system on all the devices they access. Norton Family Premier lets your kids explore the web freely while keeping you in the know about which sites they visit. It comes with tools that block unsuitable content for kids and can give you insight into your child’s social media activity when they log in to Facebook from their PC. The security system also prevents your child from accidentally giving out sensitive personal information from their computer. This includes phone numbers, address, email and the school they attend. It also alerts you when your child attempts to visit a blocked site. You can also keep a tab on the texts they send and receive. You can get all this information on your Android mobile device, so that you can stay aware of your child’s activities while you are on the go.

Cyberbullying, like any other problem, will take time to solve. But when handled calmly, there is always a solution.

Como Firewalls protegem seu computador contra Virus

Firewall_PT

Você provavelmente já ouviu a palavra ‘firewall’ usada para descrever uma medida de prevenção contra criminosos cibernéticos. Mas isso não significa que você realmente saiba como um funciona, certo?

Não se preocupe! A verdade é que a maior parte das pessoas não sabe como o firewall funciona. Elas só esperam que ele faça o seu trabalho. E na realidade muito mais simples do que você poderia imaginar. Uma vez que você aprende um pouco mais sobre firewalls, você pode se sentir mais confiante sobre instalar um no seu computador, caso você ainda não tenha. Se você já estiver usando um firewall para prevenir ataques cibernéticos, talvez aprender sobre como ele funciona vai melhorar sua habilidade de gerenciar o firewall com maior personalização em casa e no escritório.

O que é um Firewall?

Não é realmente uma parede. É mais como um filtro. Na realidade seria mais preciso se firewalls fossem chamados de ‘firefilters’ porque eles não são construídos para manter tudo do lado de fora. Em vez disso, firewalls são desenhados para filtrar comunicações ameaçadoras.

Os firewalls usam um sistema de parâmetros inclusivos e exclusivos, permitindo tipos de comunicações específicas ou excluindo outras. Normalmente, um firewall é controlado por uma lista de controle de acesso, que possui um conjunto particular de orientações que permite ou bloqueia o acesso a comunicações de um computador específico. Estas orientações podem ser customizadas para se adequarem a qualquer necessidade em qualquer dispositivo que acesse a internet.

Diferentes Tipos de Firewalls

Há dois tipos de firewalls: os firewalls de rede e os individuais. Os de rede são tipicamente usados por empresas que contenham vários computadores, servidores e usuários. Esse firewall monitora as comunicações feitas entre os computadores da empresa e fontes externas. Se uma empresa deseja restringir determinados websites, endereços de IP ou serviços como Instant Messenger, ela pode fazer usando o firewall da rede.

Além de controlar o comportamento do funcionário com o equipamento da empresa, esse tipo de firewall protege os dados internos sensíveis da empresa, como dados de clientes e informações sobre os empregados. Firewalls impedem intrusos de acessarem estas informações e protegem o negócio contra ataques cibernéticos.

Firewalls individuais funcionam de forma similar, mas são armazenados localmente em um único computador. Todo computador doméstico deveria ter um instalado, pois estas funções são a primeira linha de defesa contra criminosos cibernéticos e vários golpes e ataques online.

Os firewalls individuais são também recomendados para computadores de empresas cuja rede não esteja protegida por um firewall de rede. Eles podem também ser úteis para múltiplos computadores que compartilham a mesma rede.

Na maior parte das vezes, computadores domésticos estão protegidos por um firewall de harware, como um roteador que protege a rede. Mas todo computador doméstico deveria também ter um sistema de firewall individual para proteger ataques específicos.

Firewalls individuais são fáceis de instalar e protegem seu computador contra malware, cookies, vírus de emails, janelas de pop-up e muito mais. Além de computadores, em dispositivos móveis podem ser instalados firewalls para proteger atividades online em movimento.

Firewalls Móveis

A maioria dos smartphones incluem uma configuração básica de segurança, como PIN numbers (números de PIN) ou senhas. Isto pode até impedir que seu melhor amigo use o seu smartphone sem a sua permissão, mas de maneira alguma será suficiente para livrá-lo de invasores online mais sofisticados.

Os Firewalls móveis fornecem uma barreira contra certos tipos de ataques. Por exemplo, quando certas configurações de compartilhamento de arquivos ou rede estão habilitadas no dispositivo, o celular está programado para responder automaticamente a uma solicitação externa. Na verdade estas configurações deveriam mantidas desabilitadas sempre que possível. E, melhor ainda, um firewall já impediria que este tipo de resposta automática acontecesse!

O que são Grayware, Adware, e Madware?

Driving you mad PT

Se você for como a maior parte dos usuários de internet, você nunca ouviu falar de grayware, adware or madware. Isso porque estes são os menores da escala mundial de ameaça de programação maliciosa. Além do mais, eles estão na linha tênue entre programas legítimos e aplicações ativamente prejudiciais.

Aqui está o seu guia rápido da nova onda de código sobre o que você não vai querer no seu computador:

O que é Grayware?

Grayware é o nome que resume melhor “programas potencialmente indesejados”. Não é um vírus e não é tão obviamente malicioso quanto muitos outros códigos problemáticos que flutuam na internet. Porém, sem dúvida, o grayware precisa ser eliminado de qualquer máquina em que esteja. A probabilidade não é que ele só incomode você ao usar seu computador, mas  também problemas atuais e futuros mais duradouros que ele pode estar trazendo para a sua máquina.

Na sua forma mais inofensiva, as infecções de grayware são irritantes. Por exemplo, alguns graywares apenas bombardeiam você com anúncios de pop-up que tornam a sua experiência na internet significativamente mais lenta e com trabalho intenso. Contudo, em algumas situações, também podem reastrear o que você faz enquanto pesquisa na internet. Em qualquer situação, o grayware já está deixando você vulnerável só por estar lá. É a ponta da lança que algumas outras formas de malware podem explorar para chegar até o seu computador.

Adware e Madware

A maior função de um grayware é coletar informações sobre você com o propósito de fazer investimento em publicidade. É chamado de“adware” quando está no computador e “madware” quando está em um dispositivo móvel, como um celular ou tablet. Não importa o que umadware ou madware sejam, vão trazer mais lentidão para seu computador e outros dispositivos e torná-los mais propensos a falhas

A pior parte é que o adware e o madware normalmente trabalham em conjunto com um spyware. O spyware vai espionar e armazenar tudo o que você faz online. O adware e o madware, mais frequentemente, vão reportar esse comportamento para um terceiro. No caso de adware e  madware, é apenas para propósitos de marketing, mas se você tiver qualquer adware  ou madware nos seus dispositivos, há uma grande chance de ter o outro coletando seus dados para propósitos nefastos ainda maiores.

Pelo fato de tanto usuários de internet estarem agora mais experientes sobre adwares comuns, os bandidos estão mudando sua forma de hackear seus dispositivos móveis. Isso significa que eles podem não só estar olhando o que você faz na internet como também aonde você vai ao carregar seu dispositivo com você. E ainda mais: o madware pode lhe custar dinheiro em forma de dados ou mensagem de cobrança. De fato, um dos modus operandi preferidos do madware é bombardear você com mensagens, esperando que você responda ou clique no link da mensagem.

Como você se protege do Grayware:

  • Sempre tenha uma boa proteção quando se trata de seus computadores e dispositivos móveis. Proteja-os com o melhor e mais atualizado pacote de segurança para navegação na internet como o Norton Security. Qualquer dispositivo (tablet, laptop, celular, desktop) e qualquer sistema operacional precisa de um pacote de segurança para internet. Você também precisa ser proativo em termos de saber escolher os sites que visita. Se algo parece demorado, lento ou como se estivesse intalando programas no seu computador, saia do site imediatamente.
  • Seja cauteloso ao instalar novos aplicativos. É melhor nunca baixar apps a menos que venham da loja de aplicativos oficial do seu sistema operacional. Mesmo assim, faça uma pequena pesquisa na internet antes de tomar a decisão final de baixar o app.
  • Nunca clique em anúncios de pop-up e nunca clique em links ou arquivos anexados em emails de pessoas que você não conhece.
  • Sempre que seu computador pergunte se você quer atualizar seu sistema operacional, a resposta deve ser sim. Uma das formas mais comuns para invasores comprometerem a sua máquina é explorar velhas vulneravilidades que já foram corrigidas nas versões atuais.

Com certeza, há muitos perigos no cenário digital. Contudo, se proteger não é tão difícil quanto você imagina. Com um pacote de segurança para internet e precauções de senso comum, você será capaz de manter todos os dispositivos que você usa livres de todos os tipos de malware.

Ensine seus filhos a evitar os golpes online

TechSavy_PT

Navegar na internet significa estar exposto a golpes online, algo que seus filhos podem não ter a menor ideia do que seja. Se você os permite navegar online é imperativo que vocês discutam sobre golpes online. Os golpes podem acontecer de várias formas, incluindo os que objetivam especificamente crianças.

Vamos ver a melhor forma para proteger seus filhos dos golpes que tem crianças como objetivo principal:

Se Eduque Primeiro

O primeiro passo para proteger seus filhos contra golpes online é se educar sobre os tipos frequentes de golpes que rondam a internet. Um dos tipos de golpe é a oferta de teste grátis, que afirma ofertar, por exemplo, testes grátis de um mês para um produto surpreendente. As letras pequenas destes golpes incluem termos declarando que depois deste período de teste, você pagará pelo produto uma vez por mês, para sempre.

“Estes caras são realmente perspicazes”, diz Christine Durst, especialista em faudes na internet para o FBI e o FTC. “Eles sabem que as pessoas não leem todas as letras pequenas antes de clicar em “eu concordo”, e até pessoas que passam os olhos por elas, apenas prestam atenção nos números. Então as empresas decifram os números, sem especificar valores. Tudo que tiver a ver com o valor ou o período é excluído do texto.

Outros exemplos de crimes na internet incluem falsos sinais de Wi-Fi. Mídias sociais e mensagens de email indicam que você ganhou um prêmio ou que deve participar de um concurso para ganhar um prêmio caro. Em seguida, falsos pop-ups avisam sobre um suposto vírus oumalware. O último golpe muitas vezes se parece com um antivírus legítimo, mas se você instalar, em vez de consertar o seu computador, vai na verdade infectá-lo com um vírus.

Infelizmente, estes são meramente alguns dos muitos golpes online que existem, então tenha certeza de que aprendeu a se proteger.

Aprender os Sinais

Uma vez seguro com seu conhecimento sobre golpes online, é hora de passar a informação para seus filhos. Educá-los sobre indicadores de golpe é importante. Veja os sinais mais comuns:

Erros
Muitos golpes da internet possuem erros de português recorrentes. Se você receber mensagens com esses erros que falem sobre um ótimo negócio ou concurso, provavelmente é um golpe, mesmo se vir de um amigo. Contudo, há muitos golpes da internet que contem uma redação impecável. Esta é uma das formas que os golpistas usam para fazer com que suas mensagens pareçam legítimas.

Ofertas Estrangeiras
Mensagens de “príncipes estrangeiros” dizendo que você precisa ajudá-los a transferir milhares dólares e que, para desfrutar dessa quantia, você precisa simplesmente pagar a taxa de transferência de $150, já são clássicas.

Manipulação Emocional
Manipular emoções é outro truque comum dos golpistas. Estresse financeiro, solidão e frustação são exemplos de problemas emocionais que os golpistas buscam como presas fáceis. Eles podem não pedir dinheiro, mas insistirão em informações pessoais que serão depois usadas para roubo de identidade.

Caça Talentos
Os Caça Talentos Infantis são tipos de golpes específicos direcionados para crianças. Estes golpes sugerem que a criança participe de uma agência de modelos particular ou aceite um convite para um teste de câmera. Eles podem parecer reais a princípio, mas sempre pedem dinheiro para que a criança continue “trabalhando” para a agência.

Golpes de Bolsas de Estudo
Outro golpe que é direcionado para crianças é o de Bolsas de Estudo. Eles afirmam estarem reconhecendo as crianças para uma realização acadêmica, mas, assim como os Caça Talentos, requerem significantes pagamentos antecipados das taxas.

Comunicação

Quando se trata de reconhecer um golpe, mantenha uma comunicação aberta e clara com seus filhos. Enfatize que eles devem sempre recorrer a você caso tenham contato com qualquer mensagem suspeita ou pop-ups que recebam e regularmente discuta sobre os sinais de golpes online, se o uso da internet é frequente na sua casa. Golpistas acreditam na inocência das crianças, então considere limitar o tempo de uso do computador em casa, até que você tenha certeza que seus filhos tenham experiência suficiente para reconhecer esses golpes.

O que é uma VPN? E por que você deveria usar uma VPN, no acesso de Wi-Fi públicos?

VPN_PT

Se você já parou pra pensar se um sinal de Wi-Fi público é seguro, você não está sozinho. De fato, de acordo com o relatório Norton Cybersecurity Insights Report, 6 em cada 10 consumidores acreditam que usar um Wi-Fi público tem mais risco de contaminação do que usar um banheiro público. E realmente tem. Navegar na internet ou realizar transações bancárias em uma rede de Wi-Fi não segura significa que você está tirando sua informação privada do anonimato e expondo ao risco. É por isso que uma rede virtual segura, mais conhecida como VPN, é obrigatória pra quem está preocupado com segurança online e privacidade.

O que é uma VPN?

Uma rede privada segura oferece privacidade e anonimato, criando uma rede privada dentro de uma conexão pública de internet. As VPNs mascaram seu endereço de protocolo de Intenet (IP) para que suas ações online sejam viltualmente indetectáveis. O mais importante: os serviços de VPN estabelecem conexões seguras e criptografadas garantidas para proporcionar uma privacidade até mesmo maior do que um Wi-Fi seguro.

Por que você precisa de uma VPN?

Pense em todas as vezes que você no seu dia-a-dia, lê emails em uma fila de uma cafeteria ou verifica sua conta bancária ao esperar em um consultório médico.

A menos que você estivesse conectado a uma rede Wi-Fi privada que requer uma senha de acesso, qualquer dado transmitido durante sua navegação estaria vulnerável à espionagem por estranhos usando a mesma rede.

A criptografia e o anonimato que a VPN proporciona protegem todas as suas atividades online: envio de emails, compras online ou pagamentos de contas. A VPN também ajuda a manter a sua navegação na internet anônima.

Além da Segurança

As VPNs, basicamente, criam um túnel entre a rede local e um nó de saída em outro lugar, que pode ser milhares de milhas de distância, fazendo com que pareça que você está em outro lugar. Este benefício da VPN se torna muito valioso para pessoas que moram em locais que censuram sites específicos. Isso permitirá que você continue aproveitando seus apps e sites favoritos de qualquer lugar do mundo, como se você estivesse em casa.

Como escolher uma VPN?

A melhor forma de estar seguro quando usar um Wi-Fi público é usar uma solução de VPN como a Norton WiFi Privacy, disponível para download. Aqui apresentamos algumas perguntas que você deve fazer ao escolher um provedor de VPN:

  1. Respeitam a sua privacidade? O objetivo de usar uma VPN é proteger a sua privacidade também. Eles devem ter uma política de curto prazo, o que significa que nunca vão rastrear ou registrar suas atividades online.
  2. Trabalham com os protocolos mais atuais? Uma VPN aberta fornece uma segurança mais forte do que outros protocolos, como o PPTP.
  3. Determinam limites? Dependendo do seu uso da internet, uma banda larga pode ser um fator decisivo para você. Assegure-se de que os serviços vão ao encontro do que você precisa, avaliando se você vai ter largura de banda total, ilimitada e sem limites de dados. Lembre-se, alguns pacotes podem não custar muito, mas você vai ser submetido a anúncios frequentes.
  4. Onde os servidores estão localizados? Decida quais locais de servidor são importantes para você. Se você quiser aparecer como se estivesse acessando a internet de um certo local, tenha certeza que há um servidor naquele país.
  5. Você será capaz de configurar o acesso da VPN em diversos dispositivos? Se você for como a maioria dos consumidores, você usa de 3 a 5 dispositivos diferentes. O ideal seria você estar habilitado a  usar a VPN em todos eles, ao mesmo tempo.
  6. O que acontece se o sinal da VPN cair? Tenha certeza que o seu provedor executa um botão de desligar no sistema em caso de falhas. Isto significa que a sua conexão seria automaticamente bloqueada e não seria padrão para uma conexão de internet sem segurança, se algo der errado.

Há muitos pontos a considerar quando escolher um provedor de VPN, então faça sua lição de casa para ter certeza que você está adquirindo o melhor perfil para suas necessidades.

Independente de qual provedor você escolha, tenha certeza de que qualquer VPN fornecerá, de longe, muito mais privacidade e anonimato online do que qualquer Wi-Fi público jamais faria.

Como posso saber se tenho Malware e o que posso fazer sobre isso?

image09_0

O Malware se tornou um termo coringa para vários tipos de riscos de segurança cibernética como vírus, cavalos de tróia, worms, adwares, ransomware e spyware.

Muitos de nós usamos esses termos intercambiáveis para descrever sintomas ou comportamentos estranhos encontrados em um computador. Contudo, todos eles compartilham um objetivo comum, que é comprometer a segurança dos seus dispositivos. Sintomas de Malware podem aparecer de forma óbvia ou discreta. Conhecer como detectar esses intrusos perigosos ajudará você a determinar como proceder para corrigir o problema, caso venha a ocorrer.

Malware é abreviação de um software malicioso e se refere a programas especificamente arquitetados para comprometer as características de segurança em um computador, permitindo às pessoas passarem um pente fino nos seus dados pessoais, em alguns casos, cometerem roubo de identidade.

Se isso soa como algo que você quer evitar, junte-se ao clube! Ninguém quer ter um malware no seu computador. Aprender a ser proativo sobre as características de segurança do seu computador é a melhor forma de evitar uma invasão de Malware. Mas, primeiro, vamos dar uma olhada em alguns pontos de atenção que podem indicar um problema de Malware:

Sinais de Malware

Na maior parte do tempo, a presença do Malware será óbvia até mesmo se você não souber como ele entrou no seu dispostivo. Na verdade, a maioria das pessoas não tem a menor ideia que o Malware foi instalado até o computador apresentar um comportamento estranho.

Você pode notar algumas mudanças no seu computador incluindo anúncios estranhos ou janelas de pop up, mesmo quando você não estiver navegando na Internet. Você pode também vivenciar mudanças indesejadas no seu navegador e uma lentidão no seu computador.

Especificamente, cuidado com anúcios que aparecem segundos depois que uma página carregar. Estes anúncios frequentemente possuem conteúdo inapropriado, são difíceis de fechar e mostram cores piscantes enquanto bloqueiam o que você está tentando ver.

Leve todos estes sinais em consideração seriamente. Se você suspeitar que seu computador tem Malware instalado, desligue-o imediatamente e saia da Internet.

Como eu peguei um Malware?

O Malware normalmente é instalado involuntariamente como resultado de alguns descuidos do usuário.

O Malware pode ser instalado acidentalmente clicando num link que está escondido ou mascarado por outro software. Isto frequentemente acontece quando os usuários baixam conteúdo de fontes desconhecidas ou desonestas. Aparentemente downloads inofensivos como protetores de tela, barras de ferramentas e torrents são igualmente suspeitos.

Outra oportunidade que você encontrar um Malware é porque você negligenciou a atualização do antivírus/ software de Malware, do sistema operacional ou de outros programas no seu computador. Atualizar seus recursos de segurança é tão importante quanto instalá-los. Se você não tiver um antivírus ou um spyware de qualidade instalado no seu computador, você estará correndo alto risco de invasão de Malware.

O Malware, assim como o virus, pode potencializar problemas. Ou seja, uma vez infectado pelo Malware, seu computador pode provocar mais insvasores, que provocam outros Malwares. A melhor coisa a fazer é cortar o mal pela raiz assim que você notar qualquer sinal de Malware.

Como evitar o Malware?

  • A segurança do computador quase sempre começa com anti-virus/malware software. Enquanto esse aviso pode parecer óbvio para alguns, muitos computadores domésticos não tem um software de segurança apropriado instalado. Torne esta uma prioridade na sua casa. Esta é a melhor coisa que você pode fazer para evitar o Malware.
  • Faça uma varredura em seus arquivos com os seu antivírus/software de Malware periodicamente. Você pode configurar para que ele faça isso automaticamente em períodos determinados. Fala esse procedimento, ao menos uma vez por semana, de preferência a noite, quando você não vai usar o computador.
  • Além disso, você deve estar ciente do seu comportamento online. Clicar em anúncios ou sites duvidosos pode ser como abrir uma comporta. Se a sua intuição está te dizendo que algo parece suspeito, não clique.
  • Finalmente, você deve sempre manter sua informação pessoal segura com firewalls de criptografia, tanto no modem como em computadores individuais, e proteja suas contas com senhas únicas e complexas. Seja proativo com sua segurança cibernética e fique atento ao usar a internet.

Dependendo do quanto você fica confortável com computadores, você pode querer procurar ajuda profissional para remover vírus ou Malwares. Como alternativa, há instruções passo-a-passo   disponíveis tanto para PC como para Mac, caso você prefira fazer por conta própria.